A Sonangol posiciona-se como um parceiro fiável de investimento e crescimento industrial na AEW 2022

  • Home
  • News
  • News
  • A Sonangol posiciona-se como um parceiro fiável de investimento e crescimento industrial na AEW 2022

A Sonangol tem-se mostrado como um parceiro fiável de investimento e crescimento do sector energético para investidores que procuram explorar as enormes oportunidades do sector energético angolano.

Durante uma apresentação robusta e um painel de discussão realizado no evento “Invest in Angola side” na conferência e exposição da Semana Africana da Energia (AEW) na Cidade do Cabo, Osvaldo A. Inacio, membro do Conselho Executivo da Sonangol, apresentou oportunidades de investimento em toda a indústria angolana de petróleo e gás e a Sonangol como um parceiro fiável para investidores globais que procuram retornos massivos e sustentáveis nos investimentos energéticos.

Tendo reformado a sua missão, visão e valores para assegurar o desenvolvimento sustentável do sector energético angolano para impulsionar o desenvolvimento de recursos e a monetização para a segurança energética e o crescimento económico, a empresa é uma empresa ideal para estabelecer parcerias com investidores que procuram investir num mercado energético estável e num ambiente político, de acordo com o Inacio.

“Desempenhámos um papel crucial no posicionamento de Angola como o maior produtor africano de petróleo bruto, com a Sonangol a deter 17,5% da produção total do país e a assegurar 4,2 milhões de toneladas de produtos refinados para satisfazer a procura local. Temos grandes objectivos, a nossa ambição é aumentar a produção, a monetização e o desenvolvimento do gás e criar Angola como um centro de refinação regional. Com os objectivos que estabelecemos, procuramos parceiros de exploração e produção para aumentar a produção. Temos os recursos no terreno, só precisamos de bombear para impulsionar o crescimento da indústria. Quanto à transição energética, ela está lá, mas precisa de ser feita de uma forma justa e justa, pelo que precisamos de continuar a investir na exploração, mas de uma forma mais limpa. As oportunidades para os interessados em investir na exploração incluem nos blocos 406 e 506, onde temos estacas disponíveis para agarrar”.

Comentando as oportunidades em toda a indústria do gás enquanto a Sonangol procura tornar-se um actor chave para apoiar o consumo local e as exportações, a Inacio deu uma actualização de alguns dos projectos que a empresa de energia está actualmente a implementar.

Ele disse que a Sonangol assinou uma nova concessão de gás na qual a empresa tem uma grande participação e está à procura de parceiros e investidores fiáveis com os quais possa cooperar para acelerar o desenvolvimento. Ele disse que “o país está aberto ao investimento para o gás, mesmo para a energia solar, e convidamos os investidores. Avançámos para o desenvolvimento do gás em Opaya, no lado norte do país, onde estamos a construir uma fábrica de fertilizantes que utilizaremos o gás para alimentar. Somos participantes no New Gas Consortium e parceiros no Projecto Sanha Lean Gas”.

Em todo o sector do midstream, o executivo destacou projectos como as refinarias do Soyo, Luanda e Cabinda e o Terminal Marítimo do Barro do Dande que a Sonangol está a implementar e a procurar investidores para se associarem.

Ele salientou que “Angola tem vindo a importar muitos produtos refinados e queremos mudar isso, razão pela qual temos três projectos de refinaria actualmente em curso. O Lobito vai ser uma mudança de jogo para o país onde estamos à procura de investidores interessados em juntar-se a nós. Estamos a agarrar parceiros à medida que avançamos para evitar atrasos. As três refinarias somarão no total 450 000 barris de energia por dia, o que significa que vai haver espaço para exportações em toda a região. Estamos também a discutir gasodutos com países regionais. Tivemos uma boa conversa com o Afreximbank sobre o financiamento destes projectos”.

O director executivo também promoveu a estratégia de energia renovável da Sonangol que inclui uma central solar fotovoltaica de 50 MW que a empresa está a desenvolver em Caracula, uma instalação de produção de gás a electricidade de 136 GWh no Zaire Falcao e um projecto de hidrogénio verde a ser implantado em Saumbe, sublinhando ao mesmo tempo que a empresa está lá para melhorar a exploração, produção, comércio e exploração de petróleo e gás, bem como projectos de transição de energia. “Ainda não estamos a desistir do petróleo, não apenas por enquanto. Iremos para o gás e passaremos às energias renováveis para combater a pobreza energética no país e impulsionar o crescimento económico”. Planeamos desenvolver 1000 MW de energias renováveis até 2030″.

Leave A Comment